MODELO PARA VERIFICAÇÃO DA AMOSTRAGEM DE EFLUENTES LÍQUIDOS EM MINAS GERAIS, BRASIL

Arthur Couto Neves, Nilton de Oliveira Couto e Silva, Marcos Paulo Gomes Mol

Resumen


O descarte em corpos d’água de efluentes líquidos industriais não tratados gera impactos ambientais negativos. No caso de lançamento dos efluentes líquidos em sistemas de coleta de esgotos sanitários, é necessário atender a programas de monitoramento de efluentes líquidos, quando pertinente, regulados pela companhia de saneamento local. Em Minas Gerais, Brasil, alguns geradores de efluentes líquidos podem optar pelo lançamento na rede coletora da Companhia de Saneamento de Minas Gerais - COPASA, desde que sigam os requisitos da Norma Técnica T187/5, que define limites máximos para algumas substâncias. O processo de amostragem dos efluentes líquidos, bem como sua correta representatividade, são desafios para os profissionais envolvidos. Portanto, o objetivo deste artigo é apresentar uma proposta de checklist para verificação da qualidade da coleta de efluentes líquidos, baseado na norma técnica ABNT: NBR 9898/1987, no Guia Nacional de Coleta e Preservação de Amostras - GNCPA e no Standard Methods of Examination of Water and Wastewater - SMEWW. Foi elaborada uma tabela comparativa das fontes consultadas e um checklist contendo perguntas que direcionam para a avaliação da coleta de efluentes líquidos. O checklist foi testado em alguns empreendimentos, visando ajustá-lo da melhor forma à demanda dos usuários. Espera-se, portanto, aprimorar o sistema de gestão e, assim, assegurar ao máximo possível a preservação das características dos efluentes coletados, tornando o processo de amostragem dos efluentes mais criterioso. Assegurar a representatividade do efluente para sua análise é uma forma de conseguir dados confiáveis das atividades industriais que são potenciais geradores de impactos ambientais negativos.


Palabras clave


auditoria ambiental, efluentes industriais, gestão ambiental, monitoramento ambiental

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2018.11.2.57220