PRODUÇÃO DE GESSO NO ARARIPE PERNAMBUCANO: IMPACTOS AMBIENTAIS E PERSPECTIVAS FUTURAS

Contenido principal del artículo

João Paulo de Oliveira Santos
Soraya Giovanetti El-Deir

Resumen

O estado de Pernambuco é responsável pela produção de 97 % do gesso consumido no Brasil. Isso se deve em grande parte a qualidade do seu minério de gipsita, que alcança um altíssimo grau de pureza. As reservas pernambucanas de gipsita se concentram na região do Araripe, compondo o Polo Gesseiro do Araripe, importante arranjo produtivo a nível nacional. Embora essa atividade represente uma importante fonte de recursos para a região que está inserida, é também responsável pela geração direta e indireta de uma série de impactos ambientais. A principal fonte energética utilizada no processo de beneficiamento do minério é a lenha, na maioria das vezes proveniente de espécies nativas da Caatinga. Essa retirada massiva de lenha tem colocado a região sob uma severa pressão antrópica que, consequentemente, vem gerando alterações nas estruturas físicas e biológicas do ambiente. Soma-se a esse cenário a expressiva liberação de particulados na atmosfera, comprometendo a qualidade do ar e trazendo recorrentes problemas de saúde a população local. Dessa forma a busca por uma nova matriz energética se faz necessária, atrelando-se também a estratégias de produção mais limpa. Panorama que para ser implantado depende de uma série de atores, tanto na esfera pública como privada.

Detalles del artículo

Cómo citar
de Oliveira Santos, J. P., & Giovanetti El-Deir, S. (2019). PRODUÇÃO DE GESSO NO ARARIPE PERNAMBUCANO: IMPACTOS AMBIENTAIS E PERSPECTIVAS FUTURAS. Revista AIDIS De Ingeniería Y Ciencias Ambientales. Investigación, Desarrollo Y práctica, 12(3), 496–509. https://doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2019.12.3.62953
Biografía del autor/a

João Paulo de Oliveira Santos, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Engenheiro Agrônomo, Mestrando em Engenharia Ambiental na Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Soraya Giovanetti El-Deir, Universidade Federal Rural de Pernambuco

Professora do Programa de Pós-graduação em Engenharia Ambiental da UFRPE e Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Engenharia civil da UFPE, Pesquisadora lider do Grupo de Pesquisa Gestão Ambiental em Pernambuco (Gampe).