AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE UMA ESTAÇÃO DE TRATAMENTO DE ESGOTO SANITÁRIO DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO

Denise Peresin, Taison Anderson Bortolin, Mayara Cechinatto, Vania Elisabete Schneider

Resumen


O sistema de biodiscos para tratamento de efluentes segue o mesmo princípio teórico de sistemas aeróbios e apresenta características bastante competitivas quando comparada a outras tecnologias. Avaliar a eficiência da estação de tratamento de efluentes sanitários compacta de uma universidade, que emprega a tecnologia de biodiscos, bem como das etapas do sistema, através de análise estatística e comparação com os limites da legislação aplicável, foi o objeto deste estudo. As coletas foram realizadas quinzenalmente, entre os anos de 2012 e 2015, em 4 pontos. Os resultados foram avaliados pelos testes estatísticos de Shapiro-Wilk, Mann-Whitney e t-student, e comparados com os padrões de emissão ou eficiência mínima definida pela resolução Consema nº 355/2017. A ETE foi eficiente na remoção de coliformes termotolerantes (>95%) e atendeu aos limites de concentração determinados pela Resolução para os parâmetros de pH, DBO5, DQO e SST. Em síntese, o estudo apontou que a maior problemática da ETE está na remoção dos nutrientes, que estão sendo lançados na rede coletora municipal, muitas vezes, acima dos valores determinados pela resolução vigente. Evidenciou-se que o atual sistema de tratamento, precisa ser incrementado, para tornar-se mais eficiente na remoção destes parâmetros.


Palabras clave


ETE; biodiscos; remoção de nutrientes

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2021.14.3.75825