RELAÇÃO ENTRE PRODUÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS E CRESCIMENTO POPULACIONAL NA REGIÃO NORTE

Mario Marcos Moreira da Conceiçao, Luíza Carla Girard Mendes Teixeira

Resumen


O objetivo desta pesquisa foi analisar quanti-qualitativamente a relação entre: crescimento populacional, produção e disposição final de resíduos sólidos em um recorte temporal compreendido entre 2008 e 2017, na região norte do Brasil. O método aplicado foi o dedutivo, com abrangência quanti-qualitativa, natureza observativa, com procedimento exploratório. A coleta dos dados secundários foi efetuada a partir do acesso à plataforma de dados livres do Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil publicado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais – ABRELPE. A geração de resíduos sólidos de 2008 a 2017 aumentou 75.3% e o crescimento populacional, 8.4%. No período de 2008 a 2012, a produção de resíduos sólidos apresentou maiores percentuais (54.2%), mas, o crescimento populacional foi equivalente a 7.7 %. Os dados também indicaram, quanto à disposição final, que houve um aumento, entre 2008 e 2017, de 5.4% dos resíduos encaminhados aos aterros sanitários, e 1.4% para os vazadouros a céu aberto. Houve ainda uma diminuição dos resíduos dispostos em aterros controlados de 6.8% no mesmo período. O estado do Pará apresenta menores índices de produção per capta de resíduos sólidos urbanos (22.2%), sendo que estes, ainda dispostos em maior quantidade, de forma inadequada (71.8%). Dessa forma, é imprescindível a análise estatística destas variáveis, para compatibilizar o desenvolvimento urbano com a qualidade ambiental na proposição de medidas, que mitiguem ou minimizem os impactos advindos da produção crescente de resíduos sólidos urbanos – RSU.


Palabras clave


disposição; geração de resíduos sólidos; poluição

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


DOI: http://dx.doi.org/10.22201/iingen.0718378xe.2021.14.3.75886